Revista da Papelaria


Revista da Papelaria

Início » Notícias / Tecnologia » Bê-á-bá dos papéis fotográficos

26/07/2018

   

Bê-á-bá dos papéis fotográficos

Do detalhamento de aspectos técnicos do produto a dicas de conservação

O mundo evolui, e as formas de realizar tarefas cotidianas se reinventam. No ato de fotografar e guardar lembranças não é diferente. Com a tecnologia e os novos mecanismos de eternizar momentos, é muito comum fazer álbuns de foto on-line. Apesar disso, tirar fotos e imprimir as mais especiais nunca sai de moda, e há quem prefira o bom e velho álbum de fotografia físico.


Para entrar de cabeça nesse universo, é importante estar atento às várias especificidades do produto, além de se certificar qual estilo de papel fotográfico atende ao perfil do seu público. Há grupos mais exigentes que outros, assim como há aqueles que buscam orientação antes de optar pela compra do produto, portanto, é importante que a sua papelaria saiba passar as informações relevantes para cada público.


Daniel Grassiotto, gerente comercial da Filiperson, ajuda a entender quem é o público que busca pelo produto e com qual objetivo. “Consumidores domésticos, que utilizam o produto para armazenar e expor suas fotografias; artesãos, que utilizam o produto para a produção de objetos como artigos para festas, chaveiros resinados, por exemplo; empresas de e d u c a ç ã o e treinamento, que utilizam o produto para a produção de certificados e diplomas; gráficas expressas, que utilizam o material para a impressão de peças gráficas; hospitais, clínicas e laboratórios, que utilizam o produto para a impressão de exames; fotógrafos profissionais, que utilizam o produto para a impressão de seus trabalhos”, detalha o gerente que atua no time da empresa há 17 anos.


Depois de já ter em mente qual público tem mais interesse em papéis fotográficos, é necessário aprender os aspectos técnicos do produto. Para isso, Omar Faria Filho, gerente comercial da Off Paper, pontua. “São três fatores que definem a qualidade: a base do papel, o cilindro da máquina e o revestimento do papel”. Já a vida útil da impressão no papel fotográfico depende das condições de armazenamento, portanto, é necessário que vendedores e compradores saibam os cuidados que o produto requer. “As principais dicas de conservação do papel fotográfico que tanto o lojista quanto o consumidor devem ficar atentos é deixar o produto dentro da embalagem original, evitar deixá-lo em local úmido e conservá-lo em temperatura ambiente”, ensina Omar.


O gerente comercial da Filiperson reforça que, ainda no estoque do revendedor, o papel deve ser mantido em sua embalagem original, lacrado, distante de fontes de calor, umidade e exposição solar. “Lembramos sempre que esses papéis foram fabricados para absorver umidade (a tinta é líquida). Assim, a sua exposição à umidade, antes de ser impresso, pode fazer com que parte de sua capacidade de absorver a tinta seja comprometida pela umidade já absorvida do ambiente”, evidencia Daniel Grassiotto. Desse modo, nada de tentar fazer venda de folha avulsa.


“Para uma melhor conservação, é recomendado que os produtos sejam armazenados em um ambiente seco e sem grande incidência de luz. Já para o consumidor, é importante utilizar sempre a embalagem original para guardar as folhas, retirando- -as somente no momento da utilização. Essas simples precauções ajudam a manter a integridade dos produtos, garantindo os melhores resultados na impressão”, complementa Luciano Andrade, gerente geral da Pimaco.


Tanto as informações técnicas como as de conservação devem estar muito claras para a equipe de vendas da papelaria orientar os consumidores de modo eficiente. Daniel Grassiotto lembra de um aspecto óbvio que ainda gera bastante dúvida no consumidor brasileiro. “Há casos, e não são poucos, em que o consumidor adquire no ponto de venda um ‘papel fotográfico matte’ e, após abrir a embalagem, imediatamente contata o SAC do fabricante para reclamar que o produto que está dentro da embalagem está errado, que não se trata de papel fotográfico, pois não é brilhante”, relata sobre a eventual confusão provocada pelo desconhecimento de que o acabamento matte leva esse nome exatamente porque é fosco.


Tantos os consumidores quanto as tecnologias de impressão vão mudando no decorrer do tempo, por isso a atualização de informações é fundamental. Atualmente, por exemplo, é observado um aumento do uso de impressoras a laser. A popularização desses equipamentos coloridos acontece graças à redução de preços, além da maior durabilidade das impressões laser se comparadas àquelas produzidas por sistemas jato de tinta. Esse é um movimento de mercado que deve ser levado em conta na hora de montar o mix de papéis fotográficos da loja.

 

< Anterior | Próxima >