Revista da Papelaria

Início » Notícias / Negócios » Pincelando os lucros

16/08/2018

   

Pincelando os lucros

O pincel serve tanto para fins escolares quanto artísticos e pode alavancar a venda de outros produtos que complementam esse universo

Se você ainda não domina a arte de comercializar pincéis, saiba que o item buscado por artistas, artesãos e estudantes tem alto poder de negócio para as papelarias. Juliana Gasparini, sócia da Arte e Companhia, de Vitória (ES), afirma que os pincéis têm boa rentabilidade e sua papelaria faz compras mensais do item. “Os pincéis são ferramentas aplicadas em várias técnicas e, por isso, têm um mix muito complexo. É importante que o papeleiro identifique o público consumidor para que não fique parado na prateleira. Pincel para pintura em tela é diferente do utilizado na escola”, orienta.


A fabricante Condor, por exemplo, disponibiliza quase 400 tipos de pincéis, divididos em 17 linhas, como tela/tecido, stencil, tela/madeira, porcelana, tecido, escolar, entre outros. “Pincéis artísticos têm uma rentabilidade maior do que os escolares, pois o valor agregado e a qualidade são superiores”, destaca Carla Liebl, responsável pelo marketing da Condor Pincéis.


Mix complementar


O item também atrai a venda de outros produtos que complementam esse universo, como tintas, telas, papéis artísticos, vernizes e outros auxiliares. A rentabilidade dos pincéis ficou mais significativa na Papelaria Pedagógica, de Sorocaba (SP), por esse fator. “Incrementamos a diversidade de produtos que se agregam a essa venda, como MDF, resinas e tintas. Os pincéis mais simples têm uma rotatividade maior, porém nós destacamos por ter uma linha mais específica e completa. Alguns consumidores não encontram certos pincéis em qualquer lugar”, afirma o diretor João Batista. “A papelaria pode focar apenas a linha escolar ou ampliar seu leque de produtos para o mercado de artesanato”, orienta Carla Liebl.


Além de comercializar tais ferramentas, tanto a Arte e Companhia quanto a Papelaria Pedagógica oferecem cursos de pintura, desenho, aquarela, scrapbook, encadernação, caligrafia, cartonagem, entre outros. “Temos um programa fidelidade e procuramos sempre ofertar cursos e oficinas para auxiliar no giro da mercadoria. E é bom lembrar que cliente artista gosta de novidade e variedade”, destaca.


Exposição


Para impulsionar a venda do item, João Batista, da Papelaria Pedagógica, indica: “Expomos os pincéis perto de tintas e materiais que possam ‘casar’ a venda, num expositor bem distribuído, de fácil acesso e bem identificado”. Juliana Gasparini complementa: “Os pincéis devem ser dispostos em pé, separados por modelos e tamanhos e podem ser colocados em um display próprio ou pendurados”.


Na fabricante Condor, a linha mais comercializada é o pincel para tela/tecido. Na Arte e Companhia, os itens mais procurados são os de pelo de orelha de boi e os sintéticos. Na papelaria de Sorocaba, as marcas mais comercializadas são Condor, Tigre e Keramik. “Os pincéis mais procurados são aqueles para as técnicas mais simples, até mesmo por serem os mais acessíveis”, diz João Batista.


O que uma marca analisa na hora de produzir novas linhas de pincéis? A Condor se baseia em pesquisas que mapeiam as necessidades do mercado e procura conceber materiais que sejam mais ecológicos e adequados às novidades tecnológicas que surgem. “Estamos desenvolvendo trabalhos bem específicos na linha escolar e com projeto de inserir uma linha para o fundamental 2, com pincéis sintéticos mais suaves e com desempenho mais adequado às técnicas para essa faixa etária”, afirma Denise Emery, técnica em pincéis da Condor e educadora, pós-graduada em Arte Terapia e História da Arte.


Essa iniciativa é resultado do projeto “Pintando o Futuro”, voltado para professores e direcionado a pessoas interessadas no estudo das artes. A técnica da Condor dá mais detalhes: “A rotina de um professor é bastante atribulada e, pensando em promover a História da Arte e facilitar a vida desse profissional, nós criamos o e-book “Nascimento da Arte”. São sete atividades sobre diferentes períodos da história a partir do uso de diversas técnicas, além de materiais com informações da Pré-história, Antiguidade e Idade Média”.


A escola interessada em desenvolver o projeto precisa entrar em contato com um representante Condor da região. Para fortalecer a ação, a empresa mantém, ainda, parcerias com papelarias, onde são realizados cursos para os profissionais da área de Educação Artística. Para saber mais, acesse o blog da fabricante em condor.ind.br.

 

< Anterior | Próxima >