Revista da Papelaria

Início » Notícias / Mercado » Desenvolvimento em alta

21/05/2012

   

Desenvolvimento em alta

Indústria gráfica cresceu 0,4% no primeiro trimestre

O nível de atividade da indústria gráfica brasileira cresceu 0,4% no primeiro trimestre de 2012, em relação a igual período do ano passado. Em março, houve queda, mas os dados sinalizam uma leve tendência de retomada. “Com o avanço de 0,4%, a produção de nosso setor ficou acima da média da indústria de transformação, que caiu 3% em relação ao primeiro trimestre de 2011”, comenta o presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional), Fabio Arruda Mortara. Ele ainda explica que o resultado das gráficas decorre do impacto positivo dos segmentos de embalagens impressas (2,4%) e editorial (3,2%) e do efeito negativo gerado pelo grupo de impressos comerciais, que caiu 20,1% no trimestre.
Na análise dos dados acumulados nos doze meses contados de abril de 2011 a março de 2012, frente ao mesmo período imediatamente anterior, verifica-se resultado positivo de 1,29% na atividade da indústria gráfica brasileira. “Nessa análise mais alongada, nota-se que o crescimento nos grupos de embalagem (2,05%) e editorial (5,6%) foi parcialmente neutralizado pela queda de 6,43% dos impressos comerciais”, observa Mortara. Para o líder setorial, tal queda pode ser explicada pela lenta recuperação das economias dos Estados Unidos e da Europa. “Esse fato pode estar reduzindo a disponibilidade de verbas de marketing de empresas multinacionais, importantes compradores desses produtos gráficos”, avalia.


Retomada


Em março, na comparação com o mesmo mês de 2011, a indústria gráfica apresentou recuo de 5,2% em sua produção. “No entanto, há incremento de 9% em relação a fevereiro de 2012, refletindo a retomada do ritmo dos negócios que se sucede ao período do carnaval”, enfatiza Mortara.
O presidente da Abigraf Nacional diz que o recuo de 5,2% na produção em março de 2012 em relação ao mesmo mês de 2011 deveu-se à queda acentuada dos impressos gráficos editoriais (-10,7%) e da forte retração na produção de impressos comerciais (-26,6%).

 

< Anterior | Próxima >