Revista da Papelaria

Início » Notícias / Representante » Comunicação e ética guiam representante

26/09/2014

   

Comunicação e ética guiam representante

Após superar a timidez, José Darmes se destaca pela ética e jeito extrovertido

A timidez dos tempos da juventude não foi barreira para o goiano José Darmes, de 47 anos, da Confiança Representações, trilhar a trajetória profissional na área de vendas. Desafiado em trabalhar diretamente com o público, ele se esforçou para tornar-se mais comunicativo. E conseguiu se superar. Primeiramente, foi ser vendedor de tecidos nas Lojas Tanger, em São José do Rio Preto/SP, depois, chegou a gerente da filial do Armazém Paraíba, em Araguaína, Tocantins. “Com certeza, ser extrovertido ajuda muito a lidar com as pessoas. Mas sempre com ética”, pondera.
Cada vez menos acanhado, José não só se destacou no mercado, como também surpreendeu a todos da família. Tanto é que o cunhado Bernardo Souza o convidou para ser preposto no ramo de papelaria, em 2001. “Foi desafiante”, confessa ele, que já cultivava o desejo de dar uma guinada profissional há algum tempo. “Acho bacana a possibilidade de viajar trabalhando, conhecer novas pessoas e ter bom ganho financeiro”, explica Darmes, que precisou vencer alguns desafios até se estabilizar na nova empreitada.
Além de compreender a dinâmica de gerenciamento de cada fornecedor, sanar rapidamente falhas em serviços e ser antenado aos lançamentos do ramo, ele percebeu que, mais uma vez, ter boa comunicação com os clientes é fundamental para o sucesso. A qualidade de atendimento é um dos segredos para o êxito profissional no mercado, garante. “Sempre respeitando os colegas. E volto a repetir, ética é muito importante”, reforça o representante, que passou cerca de 11 anos atendendo o sul do Pará, em mais de 20 cidades.
Seguro e com bela carteira de clientes, Darmes resolveu dar mais um passo importante na carreira. Em 2012, abriu a própria empresa, a Confiança Representações. Ousado, o negócio atende ao sul do Pará e também Tocantins, estado em que começou a trabalhar como vendedor de tecidos e mora desde 1983. Mesmo com uma empresa de representação robusta, o elo entre a firma e as papelarias continua sendo fortalecido a cada dia com a ‘boa conversa’. “Muitas vezes, a ligação transforma-se em uma grande amizade”, conta ele, sempre buscando fazer o trabalho o mais corretamente possível.

 

< Anterior | Próxima >