Revista da Papelaria

Início » Notícias / Tecnologia » Tecnologia para reduzir custos

27/02/2015

   

Tecnologia para reduzir custos

Consolidado entre grandes empresas, outsourcing de impressão surge como alternativa para pequenos negócios em busca de economia e organização

O outsourcing de impressão permite a terceirização dos serviços gráficos de uma empresa, com objetivo de otimizar custos e a qualidade do serviço. Presente no mercado há cerca de dez anos, a solução é encontrada em inúmeras empresas de grande porte, e começa a se espalhar para os pequenos e médios empreendimentos.


“As empresas que não tem outsourcing lidam com custos invisíveis. Funcionários perdem tempo produtivo com pequenos problemas que as impressoras apresentam. Grandes empresas – com mais de 100 funcionários –, em geral, têm outsourcing implementado. No entanto, as pequenas empresas são pouco exploradas”, revela Alexandre Gomes, gerente de canais da Reis Office, empresa especializada no serviço.


A implementação de um sistema de outsourcing de impressão é feita em etapas. O primeiro passo é fazer o levantamento sobre quais tipos de materiais (papéis, tintas e impressoras) são imprescindíveis para as necessidades de determinada empresa. Depois, se analisa onde podem ser feitas automações nos processos para, então, implementar os equipamentos certos para funções específicas.


De acordo com Alexandre, a busca por novos públicos se dá pelo momento que o setor de outsourcing atravessa. Com a revolução tecnológica efervescente deste início de século, informações antes armazenadas em mídias analógicas são cada vez mais digitalizadas. E o custo do serviço, antes calculado por página, sofre as consequências da queda na demanda.


“Há dez anos, sem tablets, celulares ou nuvem, a impressão era a principal fonte de organização. Hoje, vivemos um momento no qual as empresas querem impressão segura, impressão na nuvem ou ‘follow me’. Esse é o grande dilema: como manter a importância do papel ao mesmo tempo em que nos adaptamos às novas plataformas”, contrasta Alexandre Gomes. “Quem continuar pensando como no passado, vai ter dificuldades no futuro. As empresas que puderem se adaptar a essa mudança permanecerão no mercado”, finaliza o gerente.

 

< Anterior | Próxima >