Revista da Papelaria

Início » Notícias / Mercado » A gota d’água

05/03/2015

   

A gota d’água

Se o problema é molhar e danificar algum material, a solução começa a nascer: cadernos impermeáveis

Levante a mão quem nunca molhou um caderno e manchou a folha. O “impermeável” lembra roupas e acessórios, mas, e se a indústria chegasse ao ponto de criar papel desse tipo? Sim, o mercado começa a oferecer opções para quem molha o bloquinho na chuva até quem, literalmente, trabalha embaixo d’água.


A tecnologia em si é pouco revelada – apenas se sabe que são materiais especiais. No exterior há algumas iniciativas, como da francesa Petzl, especializada em equipamentos de montanhismo e segurança em técnicas verticais. Pensando no primeiro e fiel público de exploradores de cavernas, criou um caderno para os praticantes dessa atividade, a espeleologia. O Carnet tem tamanhos A6 (15 x 10,5 cm) e A5 (21 x 15 cm), 40 páginas em poliéster, capa semirrígida e espiral. É à prova d’água e resistente a rasgos. Mas não é barato: na internet, custa em média R$ 200.


A norte-americana Rite in the Rain levou o conceito de resistência à água para todos os produtos. Mais do que isso, idealizou materiais para serem usados em condições climáticas precárias. Além de cadernos, blocos e até papel milimetrado, a empresa centenária fornece canetas especiais. A Pink Clicker, por exemplo, não só escreve em papel molhado como suporta temperaturas extremas – de aproximadamente -35°C até 120°C.


No Brasil, o passo mais concreto foi dado pela Tilibra com o caderno Neon Acqua. “É ideal para locais úmidos ou próximos da água, pois a tecnologia garante maior durabilidade às informações escritas no papel”, afirma Karina Marchini, gerente de produtos da empresa. As páginas têm secagem rápida e não mancham quando escritas com esferográfica. Por enquanto, existe apenas o formato ¼, mas é possível ampliar a linha. “A Tilibra está sempre em busca de produtos inovadores e que atendam uma necessidade não explorada”, garante Karina.


Segundo a gerente, o público aceitou bem a novidade. “A recepção está positiva, pois ele possui um design diferenciado e moderno, além da resistência à água”, comenta. Isso significa que pode ser um nicho muito interessante (e lucrativo) para os papeleiros, principalmente se apostarem em profissionais que possam usar o produto.


O foco em artigos resistentes à água e situações extremas vem crescendo, principalmente em tecnologia – como celulares e câmeras. Mas o avanço para a papelaria está nas pequenas coisas que compõem o mix e podem facilmente atrair o público. Para aventureiros, cientistas, exploradores ou aquela pessoa que vive derramando o copo de água na mesa, a solução pode estar na sua prateleira.

 

< Anterior | Próxima >