Revista da Papelaria

Início » Notícias / Mercado » Há mais de 70 mil PDV de papelaria no Brasil

22/09/2015

   

Há mais de 70 mil PDV de papelaria no Brasil

Organizadora da feira Escolar Office Brasil divulga pesquisa e faz uma radiografia do setor nunca realizada antes.

Que o setor de papelaria é enorme, todos já sabem – ou têm ideia, em virtude do tamanho do Brasil. Agora, pela primeira vez, o segmento papeleiro está delineado em números em uma relevante iniciativa da Francal Feiras – que há 29 anos promove e organiza a Escolar Office Brasil– em parceria com a empresa de geomarketing e inteligência de mercado Cognatis Inteligência Aplicada. O objetivo da iniciativa foi mapear o mercado onde atuam praticamente todas as empresas expositoras da feira Escolar. Além de entender melhor o setor, foi possível dimensionar o potencial de consumo de materiais escolares, considerando os gastos da família.


“É a primeira vez que investimos nesse tipo de pesquisa. Começamos a ter necessidade de obter o número real quando percebemos mudanças na visitação da feira. Fizemos pesquisa interna e, na verdade, o que diminuía era o número de acompanhantes. Antes, as empresas traziam cinco pessoas, por exemplo, e agora só trazem em torno de duas”, explica a gerente de negócios e TI da Francal, Luciana Ramos. “Questionávamos: onde estão essas papelarias então? A partir disso, decidimos, junto a uma empresa especializada, elaborar a pesquisa para termos a radiografia do mercado de papelaria”, complementa.


Apresentar, em detalhes, o panorama do segmento não é tarefa simples. Os serviços da Cognatis foram contratados em fevereiro de 2014 – em virtude disso, os dados da pesquisa são de 2007 a 2013 – e o serviço entregue em abril deste ano, pouco tempo antes da realização da Escolar Office Brasil. A promotora está usando a base do comércio identificado na pesquisa para aprimorar ainda mais o perfil do visitante da Escolar. “Neste ano, focamos somente a Região Sudeste, pois não tínhamos tempo hábil para chegar a todos esses nomes identificados na pesquisa. Mas, para 2016, vamos focar o Brasil inteiro”, ressalta Luciana.


De acordo com a gerente, a Francal Feiras acredita que as 1.376 papelarias que visitaram a feira pela primeira vez em 2015 foram reflexo desse trabalho focado. Para o ano que vem, a expectativa é de resultado ainda mais consistente. O número de pontos de venda classificados como papelaria é apenas parte da pesquisa desenvolvida pela Francal Feiras-Cognatis. Com o trabalho, é possível relacionar o público escolar e o nivel socioeconômico da região onde essas papelarias se localizam.


No entanto, essa ação não é pontual, pelo contrário. Em 2017, a promotora da Escolar fará atualização da pesquisa e, a partir daí, possuir comparativo ainda mais real do setor. Além disso, não só a Francal como o mercado em geral estarão munidos dessas informações e vão poder tirar proveito delas. “Essa foi a primeira de várias pesquisas. Queremos analisar o mercado produtor, trocar informações, saber quanto gira, quanto fatura, o potencial de crescimento e elaborar um consistente banco de dados do setor. Queremos oferecer a ferramenta para que todos utilizem – o expositor e o visitante – e, assim, fazer o negócio evoluir. Afinal, fazemos a feira para o mercado e todos têm que estar unidos para o setor continuar firme e forte”, salienta.


Dados da pesquisa apontam que o universo de papelaria conta com 74.354 PDVs, sendo 52.704 no comércio principal e 21.650 no comércio secundário (empresas que declararam ter atividade de papelaria, além da atividade principal). Chama a atenção, no período delineado, a evolução do número de empresas. Isso porque o único que apresentou avanço foi o comércio atacadista de artigos de escritório e papelaria. Nos demais, foi constatado índice negativo.


“Não são todas as empresas – e lógico, as papelarias – que estão preparadas para a modernidade e a concorrência dos dias atuais. Elas precisam de conteúdo para se prepararem, têm que ampliar o mix e sempre procurar o crescimento, seja físico, seja de conhecimento do negócio”, alerta Luciana, que destaca que, sempre que a Francal proporciona oportunidades de aprendizado, há grande adesão das papelarias.

 

< Anterior | Próxima >