Revista da Papelaria

Início » Notícias / Mercado » Impacto visual nas vendas

15/02/2016

   

Impacto visual nas vendas

A aparência da loja, a boa circulação e a disposição dos produtos precisam ser muito bem pensados 

TEXTO: rachel rosa


Planejar o espaço da loja e todos os atrativos para conquistar o público é um dos pontos fundamentais de quem busca sucesso no empreendimento e a fidelização. Nada melhor do que o cliente se sentir convidado a entrar e, lá dentro, encontrar um espaço bonito, confortável e funcional. Parece simples, mas os detalhes fazem (muita) diferença. 


Tudo começa na fachada da loja, o primeiro fator percebido pelos clientes. O logotipo, inclusive, é um aspecto importante na comunicação com o público. Ele deve ser relativamente curto, de fácil memorização e passar o conceito da loja e atividade, de acordo com o Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). 


Enquanto o principal objetivo da logo é manter viva a memória da empresa na mente do consumidor, o da vitrine é chamar a atenção do cliente para os produtos da loja, convidando-o a entrar. “Em um mercado competitivo e com os clientes cada vez mais exigentes e seletivos, a ‘cara’ do estabelecimento será totalmente responsável pela quantidade de visitas no local”, afirma Wagner Campos, diretor da True Consultoria e especialista em varejo, marketing e logística. “A fachada da loja deve despertar o interesse dos clientes logo nos primeiros segundos, caso contrário, passará despercebida”, completa.


Segundo o Sebrae, é importante que os produtos expostos contenham os respectivos preços, pois é uma informação que o consumidor considera fundamental na hora de avaliar um produto ou mesmo se vai entrar na loja. Além disso, a vitrine deve ser renovada com frequência. Essa renovação, para Wagner Campos, tem várias finalidades: mostrar os tipos, modelos e cores de produtos, evitar o cansaço pela falta de criatividade e ainda manter a boa conservação dos produtos expostos, pois, caso sofram com a incidência do sol, podem vir a perder suas características como cores, textura e qualidade.


Com relação às vitrines temáticas, o consultor empresarial afirma que ela desperta a atenção e colabora na persuasão indireta dos clientes. “Mas não se apegue apenas a datas comemorativas. Crie, com frequência, ambientes de acordo com o estilo dos produtos. O importante é os clientes se identificarem com o que está sendo exposto e ter seu desejo de compra ampliado”, aponta Campos. De acordo com o perfil da loja, é possível utilizar cores mais alegres ou neutras, frias ou quentes, de forma a aumentarem a harmonia no ambiente e torná-lo ainda mais agradável.


 


Ambiente interno


Ter uma vitrine atraente é o primeiro passo para influenciar o consumidor a comprar, mas ter uma loja bonita e organizada pode ajudá-lo a decidir sobre a compra. “Todo mundo gosta de entrar em lojas que estejam bem iluminadas, arrumadas e bem conservadas. Para tanto, além de servir produtos de boa qualidade, a loja precisa contar com móveis em ótimo estado e acessórios para servir bem seu cliente”, ressalta a arquiteta Marina Debasa, sócia do escritório Arquitetude e especialista em arquitetura comercial.


É muito importante que o cliente, ao se sentir atraído por uma vitrine, possa se sentir à vontade para entrar na loja e circular por ela. Por isso, é fundamental o espaço estar livre e otimizado. “Nada pior do que entrar numa loja e ter a sensação de que ela está bagunçada e existem coisas em excesso. Isso espanta o cliente. Cada coisa deve ficar no seu lugar, priorizando a circulação pela loja e facilitando o acesso aos produtos”, avisa a arquiteta.


Os empresários não devem subestimar a eficiência de um comércio bem arrumado. O cliente deve entrar e encontrar tudo o que quer. Portanto, o varejista deve estudar o layout do estabelecimento, assim como ficar atento ao comportamento do cliente e à localização dos produtos mais e menos vendidos. Caso necessário, ele dever fazer alterações na disposição dos itens para melhorar a experiência do consumidor dentro da loja. Como diz o jargão no varejo, cliente satisfeito é cliente fiel.


 


Estratégias que aumentam vendas


Em entrevista à Revista da Papelaria, a especialista em planejamento de layout de empresa Vanessa Dias dá dicas valiosas para otimizar o espaço dentro da papelaria. “Na frente da loja, é aconselhável dar destaque aos lançamentos e às promoções com o intuito de chamar a atenção do cliente. No meio, recomenda-se manter os chamados ‘artigos principais’ – aqueles que o consumidor levará mais tempo para escolher. No fundo, devem ficar os produtos essenciais, ou seja, os itens que o cliente saiu de casa para comprar. Com essa distribuição, o papeleiro fará com que as pessoas percorram toda a loja”, revela.


Vanessa também destaca a importância da boa circulação no espaço, principalmente em períodos como o volta às aulas. O tumulto é capaz de espantar clientes. Ela aponta que os corredores devem ter, no mínimo, 80 centímetros de largura. Normalmente, essa recomendação é maior, mas muitas papelarias não têm espaço tão amplo. 


Outra estratégia para aumentar as vendas e proporcionar boa experiência de compra é expor os itens ao alcance da visão do cliente. O empresário deve colocar os produtos que mais deseja vender entre 1,20 e 1,30 m de altura. Além disso, o mobiliário requer atenção. Móveis muito grandes diminuem a amplitude do lugar e bloqueiam a visão. É preciso ter em mente, ainda, que o local deve ser versátil e se adaptar conforme as necessidades.


Foco em papelarias


É possível encontrar no mercado boas opções de empresas que oferecem, entre outros segmentos, móveis específicos para papelarias. No entanto, há uma em especial que resolveu dedicar-se a expositores que atendam às necessidades dos papeleiros. Em 2007, os sócios da empresa Mobilar Planejados, Tarcízio Melo e Adalton dos Reis, não vislumbravam futuro muito promissor no ramo devido a altos custos operacionais frente aos concorrentes. Perceberam, então, uma falha no mercado de mobiliário de papelaria e resolveram focar nesse nicho. Em 2008, a empresa participou da feira de papelaria realizada em Belo Horizonte/MG, Fenapel. “Em um espaço de 20 m², apresentamos nosso primeiro modelo de expositor para papéis feito em MDF. O sucesso foi garantido, o que deu fôlego para expor na próxima edição também, em uma área com o dobro do tamanho e com outros modelos já aprimorados”, conta Adalton. Em 2010, nasceu a MP Papeleiras & Móveis, que marca presença na Escolar Office Brasil desde então, sempre com muito sucesso. Hoje, a empresa é conhecida internacionalmente e registra avanços e ampliação na produção ano após ano. Para Adalton, entre as lições aprendidas na trajetória é que a crise pode ser uma bênção, pois ela leva a criar oportunidades.
Quer saber mais? Acesse www.mppapeleiras.com.br

 

< Anterior | Próxima >