CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Artes e artesanato

A oportunidade de artesanato está nas mãos

Compartilhe

O trabalho de artesanato podem movimentar as papelarias com a ampliação do mix e a organização de oficinas

As técnicas de artesanato sempre estiveram presentes na cultura brasileira e hoje são a principal renda de muitos laresdo nosso país. Os que ainda pensam que o segmento estacionou na era das feiras de bairro e atividade informal estão enganados. O artesanato se reinventou e conta com dezenas de técnicas, como o biscuit, a papelaria artesanal e o scrapbook.

Segundo o IBGE, o artesanato gera em torno de R$ 50 bilhões por ano no país, o que contabiliza 8,5 milhões de pessoas atuando na área como uma das principais atividades geradoras de renda. O perfil desses artesãos, para Rita Mazzotti, empresária responsável pela feira Mega Artesanal, é predominantemente feminino. “Sabemos também que o artesanato, devido ao custo baixo de investimento, acaba sendo uma alternativa muito importante no empreendedorismo no Brasil, principalmente para mulheres. A maioria das pessoas que visita nossas feiras são mulheres, em torno de 80% dos visitantes”, analisa. A empresária conta que começou a feira em 2003, ao identificar a desvalorização do artesanato e um gap no mercado de eventos. Isso foi o bastante para dar início a sua primeira feira de técnicas e ferramentas para quem faz arte e artesanato.

A feira Brazil Patchwork & Scrapbooking, também comandada por ela, teve o scrapbook como um dos grandes destaques da edição desse ano. “Apoiamos o movimento Juntas pelo Scrap, que trouxe de volta importantes pessoas do mercado, inúmeros lançamentos de coleções de papéis exclusivos e agregou novos expositores”, aponta Mazzotti. O evento realizou mais de 100 cursos de patchworking, quilting, scrapbook , entre outras técnicas, para os mais de 8 mil visitantes que estiveram por lá.

Desvendando o know-how

À frente da Caçula, o diretor de marketing Roberto Santos investe em artesanato há mais de 15 anos e conta o caminho percorrido para que o nicho hoje fosse o terceiro mais procurado de sua loja, perdendo apenas para aviamentos e papelaria. O primeiro passo? Investir no mix de produtos. “Quando nós abrimos uma loja só de desenho e pintura, todos os outros materiais, como tecidos, aviamentos e papelaria acabaram agregando para o segmento de artesanato. Então as pessoas tinham muitas opções. Por exemplo, agendas. As pessoas fazem capas de agendas decorativas com papel de scrapbook, com tecidos, muitas pessoas fazem pacthwork, customização. Nos preparamos no contexto de ter produtos para agradar vários tipos de profissionais de artesanato”, lembra.

Em 2008, após resposta positiva do mercado de artesanato, a Caçula passou a promover a Rio Artes Manuais. O evento tem como meta reunir todos os atores da cadeia produtiva do setor de artesanato, sendo eles fabricantes, distribuidores, produtores e pessoas que o comercializam. Um ano depois, fizeram mais e investiram em pesquisa. A Caçula contratou um instituto para mapear o perfil de todos os visitantes da feira, explica Roberto: “Dessa forma conseguimos ver quem é o profissional do artesanato, quanto ele gasta, o que ele faz, com que frequência faz, quanto ganha. A partir dessa pesquisa norteamos todas as edições da Rio Artes Manuais e o segmento começou a crescer”.

A loja, que hoje possui mais de 30 mil itens direcionados ao artesanato, não para de se reinventar. O tema da feira desse ano será “Conexões”, que pretende levar o artesanato para o mundo digital, conta o empresário: “Queremos dizer que a ferramenta que as pessoas têm agora para vender as suas peças é o mundo digital. O artesanato agora vai se elevar a outro patamar. Agora a perspectiva é de vender para o mundo. A gente tem que fazer o segmento evoluir e crescer, tem muita gente entrando, precisamos capacitar eles”.

Dicas de quem entende do assunto!

Conteúdo e eventos
“Aconselho a participarem de eventos do segmento. As feiras possuem cursos de profissionais muito bons e experientes, eles sempre estão pessoalmente lá e podem dar dicas. Outro bom caminho é o de seguir os conteúdos dos veículos de mídia que tratam desse tema” – Rita Mazzotti, empresária e responsável pela Mega Artesanal.

Amplie o mix
“Investir em apliques confeccionados em biscuit são uma ótima opção. Além da variedade de temas, os apliques podem ser usados para decorar embalagens, convites e acabamentos em scrapbook” – Maristela Dias, empresária e responsável pela Alquimias Biscuit.

Estimule parcerias
“Faça uma pesquisa com seus fornecedores que têm produtos para artesanato. Use essa parceria com os fornecedores, eles têm interesse em ajudar a montar uma aula show, aulas demonstrativas na loja. Busque um professor de artesanato e promova oficinas no estabelecimento , vai atrair a atenção das pessoas que entram e vão perceber que ali tem opção além da papelaria” – Roberto Santos, empresário e responsável pela Caçula.

Nova data para Mega Artesanal

A 15ª edição da Mega Artesanal, prevista para acontecer em julho, foi adiada por conta dos contratempos do Coronavírus. O evento agora está previsto para acontecer entre os dias 12 a 17 de dezembro, no Expo Center Norte, em São Paulo. Aos que já compraram seus ingressos, eles continuarão valendo para a nova data. O mesmo serve para os lojistas que se cadastraram para a edição de julho, também não precisarão refazê-lo. 
“A Mega para nós é imaginada como um grande ponto de encontro entre influenciadores do mundo do artesanato. Procuramos estimular a apresentação das tendências nacionais e internacionais, obras de artistas incríveis e lançamentos exclusivos. Queremos que o participante encontre tudo o que precisa e se surpreenda sempre positivamente”, destaca Rita Mazzotti.