CARREGANDO

Escreva para pesquisar

E-commerce Inovação

O que vem na caixa?

Compartilhe

Procura por clubes de assinatura cresce no Brasil. Durante o isolamento social o aumento chegou a 35%

Receber todos os meses, no conforto da sua casa, uma caixinha cheia de produtos que você adora, com temas diferentes em cada edição e por um valor fixo mensal. Essa é a fórmula básica de um clube de assinatura, modalidade de negócio que movimenta mais de 1 bilhão de reais ao ano no Brasil, de acordo com dados da ABCOMM (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico).

A ABCOMM também estima que existam mais de 800 clubes de assinaturas no país e, entre eles, estão os que se dedicam aos produtos de papelaria e procuram entregar mensalmente uma box agregando itens que estão em alta e que podem ser úteis no dia a dia dos assinantes.

Com a necessidade de isolamento social em decorrência da pandemia do coronavírus, a procura por esse tipo de compra recorrente cresceu, inclusive no setor de papelaria. Pio- neiro entre clubes de assinatura de papelaria no Brasil, o Paper Heart Box teve um crescimento de 35% nas assinaturas no mês de maio de 2020.

A empresa atua há quatro anos neste ramo e, apesar de ter iniciado as atividades quando clubes de assinatura ainda eram uma novidade no mundo da papelaria, teve uma boa aceitação desde o início.

“A gente começou em julho de 2016, acho que com o formato de clube de assinatura, com pagamento recorrente e a plataforma certinha, fomos o primeiro do Brasil. A aceitação foi legal, divulgávamos nos grupos do Facebook e per- cebemos que os itens de papelaria chamavam

muito a atenção, junto com o fato de que receber todo mês uma caixa com itens que você não escolheu aguçou a curiosidade das pessoas”, relembra Amanda Erbert, idealizadora do Paper Heart Box, que hoje conta com 10 colaboradores.

Desde então, diversos clubes de assinatura de papelaria entraram no mercado, alguns deles apostando em nichos específicos, como a Lumnity Box, que procura selecionar pro- dutos de papelaria fina e delicada em cada edição. “Eu trabalhei em grandes papelarias e desde então eu já pensava em montar kits com produtos de papelaria, então em algum momento me veio à cabeça a ideia de criar um kit com produtos mais diferenciados. Mesmo já tendo outros clubes de assinatura de papelaria no mercado, eu não considero nenhum deles como concorrentes porque, embora todos sejam de papelaria, são produtos diferentes,”, avalia Elaine Silva, proprietária da Lumnity Box, que teve a primeira edição lançada em novembro de 2019.

Um tema diferente todos os meses

Como selecionar diversos produtos todos os meses de forma que criem uma harmonia e correspondam à expectativa dos assinantes? A maneira utilizada por todos os clubes de assina- tura para solucionar essas questões foi definir temas para cada edição e selecionar produtos que estejam em sintonia com ele.

“No começo, a Paper Heart Box não tinha temas, era papelaria fofa em geral, nossas edi- ções com temas começaram a partir de 2017. Para defini-los, nós fazemos pesquisas de duas a três vezes por ano pedindo sugestões de temas, produtos e cores. Além disso, também observamos o que está em alta no mercado”, conta Amanda.

Na Lumnity Box, os temas já estão definidos para o ano inteiro: “eu fiz um estudo no final do ano passado e já defini todos até dezembro de 2020. Em cada edição, eu procuro fazer uma harmonia de cores e combinar diversos produtos”, afirma Elaine.

Quem assina?

O perfil do assinante dos dois clubes de assinatura de papelaria que entrevistamos é semelhante: mulheres com mais de 20 anos. No entanto, a região onde elas moram são diferentes, na Paper Heart Box a maioria das assinantes é de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná. Já na Lumnity Box, a maior parte das assinantes é de fora de São Paulo.

A professora Juliane Anjos faz parte do grupo das apaixonadas por clubes de assinatura de papelaria. Ela já recebeu diversas caixinhas, tanto nacionais, quanto internacionais e acre- dita que o fator surpresa é o que mais encanta os clientes deste tipo de negócio.

“O que eu curto muito nos clubes de as- sinatura é a surpresa, a experiência de abrir a caixa e ver aqueles itens que foram separados e escolhidos especialmente para você. Eu não ligo muito de ter spoiler, até gosto de ver mais ou menos o que vai vir na caixa antes para me preparar, mas a experiência da expectativa em abrir a caixinha/envelope é o que mais me agrada”, avalia Juliane.

Nos Estados Unidos, o mercado de clubes de assinatura já está consolidado e inclui op- ções com nichos específicos entre os produtos de papelaria, como caixinhas de adesivos e acessórios para planners ou scrapbook, mer- cado que já existe no Brasil, mas ainda em um nível embrionário.

“Acho que a principal diferença é que para as caixas internacionais é mais fácil fazer itens exclusivos, desenhados pelas próprias criadoras da caixa. A Planners Anonymous, por exemplo, eu assinei por mais de um ano e o que mais me encantava é que a criadora da caixa é artista e faz todos os itens com a sua própria arte, é mais uma produção artística do que juntar materiais de papelaria para enviar”, esclarece Juliane.

Em geral, os clubes de assinatura têm uma quantidade de itens pré-determinada e as assinaturas precisam ser renovadas semestral ou anualmente. Além disso, é possível adquirir caixinhas do mês e edições anteriores de maneira avulsa.